A bolsa estourou. E agora?

pregnant_woman

Diferentemente do que pensam muitas mulheres, nem sempre o rompimento da bolsa é o primeiro sintoma do trabalho de parto. “Apenas 10% das grávidas em final de gestação têm a ruptura repentina, antes de o processo propriamente dito começar. Na maioria das vezes, a bolsa se rompe durante o trabalho de parto”, explica a ginecologista e obstetra Daniela Moreira, de São Paulo.

Seu colega Jorge Góes, também da capital paulista, complementa: “São as contrações do útero que normalmente sinalizam que é chegado o momento de dar à luz . Mas, se a mulher sentir ou desconfiar que está perdendo líquido amniótico em qualquer momento da gestação, deve procurar um hospital. O mesmo vale caso ela perceba que  a bolsa estourou, porque isso significa que ela já está ou vai entrar em trabalho de parto”.

De forma geral, depois que a bolsa se rompe, o parto ocorre, no máximo, em 48 horas.  Então, calma: a enxurrada não significa que o bebê irá nascer imediatamente! O obstetra é quem irá avaliar a necessidade de fazer o parto ou esperar mais um pouco, em condições controladas para evitar infecções.

pregnant-belly

A sensação

Quando a bolsa estoura, a mulher sente um líquido quente escorrendo pelas pernas.  “O processo é indolor. É como se estivesse fazendo xixi, mas sem controle do fluxo”, explica a ginecologista obstetra Tânia Schupp, de São Paulo.

“O líquido amniótico é transparente e tem um odor parecido com o da água sanitária”, descreve Daniela.

Dessa forma, é importante reparar: caso o líquido esteja com alguma coloração ou sangue, a mamãe deve avisar imediatamente ao médico. Pode estar ocorrendo um descolamento de placenta ou algum outro tipo de lesão.

O que fazer?

Mantenha a calma. Se o líquido for claro, coloque um absorvente, ligue para o seu ginecologista, tome um banho e peça para alguém te levar para a maternidade. Se o líquido estiver escuro, apresse-se e vá rapidamente ao hospital.

Expectant_mother_sitting_in_an_arm_chair_with_blue_babys_bootees_in_hands

Na maternidade

Ao chegar ao hospital, o médico irá avaliar o histórico da gestante, assim como o seu estado. Se a mulher não possuir contraindicações para um parto normal, acompanha-se o trabalho de parto por meio das contrações, do bem-estar fetal, das dilatações e da descida do feto pelo canal de parto.

A dilatação é medida por meio do exame de toque, quando o médico introduz dois dedos na vagina da gestante. “Dez centímetros é o total necessário para que a cabecinha do feto passe”, explica Jorge. Caso a mamãe não atinja esta abertura, é realizada uma cesárea.

Afinal, qual o primeiro sintoma do trabalho de parto, então?

Na realidade, o primeiro sintoma do trabalho de parto são as contrações do útero. Elas doem, começam com intervalos de 5 minutos e vão aumentando a frequência conforme a evolução do quadro.

As contrações uterinas duram mais ou menos quarenta segundos. A dor se assemelha à de uma cólica menstrual.

Conforme vai se aproximando a hora de parir, as dores e as contrações vão ficando mais fortes. Segundo  Jorge, “quando ocorrem duas dores fortes em um período de dez minutos, caracteriza-se o trabalho de parto”.

Por: Ana Castanho
Fonte e créditos: http://bebe.abril.com.br
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s